fevereiro 8, 2011

São Paulo, terça-feira, 08 de fevereiro de 2011

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice | Comunicar Erros

VLADIMIR SAFATLE

E Cuba?

Há uma compulsão de repetição no debate político brasileiro. Todas as vezes em que se levantam questões sobre o apoio do Ocidente a ditaduras, sobre o bloqueio do dever de memória no Brasil, o desrespeito aos direitos humanos nos EUA e na Europa, sempre se ouve a pergunta: “E Cuba?”
Um pouco como se tal pergunta parodiasse o dito de Max Horkheimer: “Quem não está disposto a criticar o capitalismo deve se calar sobre a União Soviética”, fornecendo a versão “quem não está disposto a criticar Cuba deve se calar sobre o resto do mundo”.
Mas é interessante perceber como os amigos de Cuba não procuram, assim, ampliar o espectro do debate sobre democracia e direitos humanos. Na verdade, querem neutralizá-lo com o raciocínio: “Pare de falar sobre o que não gosto de ouvir, senão te lembrarei aquilo que quer esquecer”.
Contra essa lógica da neutralização, só há uma saída: falar aquilo que, no fundo, eles não querem falar, ou seja, ampliar o debate também para Cuba, sem fechá-lo para outros casos.
De fato, há certos setores minoritários da esquerda nacional que procuram justificar o injustificável. Cuba é, no máximo, uma revolução popular que há muito entrou em estado de degenerescência. Hoje, não passa de uma ditadura que só serve para nos lembrar que mesmo revoluções verdadeiras podem terminar mal.
Há dois artifícios retóricos usados para relativizar o fato: creditar o fechamento do regime ao embargo norte-americano e minorá-lo dizendo que, ao menos, o governo cubano cuidou dos indicadores sociais de saúde e educação. Os dois artifícios são desonestos.
O primeiro consiste em dizer que problemas estratégicos (a luta contra o embargo) submetem princípios norteadores da luta política (o aprofundamento da liberdade). O segundo parece o argumento dos apoiadores de Pinochet : impomos uma ditadura, mas aumentamos a riqueza (no caso cubano, sem grandes desigualdades). Mas riqueza social sem democracia real continua sendo miséria política.
Nesse sentido, Cuba nos mostra que um acontecimento verdadeiro não garante a sequência de suas consequências. Mais do que um projeto claro, as revoluções são o ato violento de abertura de novas sequências. Um ato que mobiliza expectativas contraditórias, que coloca em circulação valores cuja determinação de sua significação será objeto de embates também violentos.
Por isso, uma revolução é uma causa a partir da qual não é possível derivar, com segurança, qual série de consequências virá. Quando as consequências são ruins, a crítica deve ser radical. Por sinal, os melhores setores da esquerda sempre fizeram isso. Eles nos lembram que o verdadeiro compromisso é com uma democracia de forte participação popular e poder instituinte soberano, não com ditaduras.

VLADIMIR SAFATLE escreve às terças-feiras nesta coluna.

Anúncios

O nome dele é Spud “porque lembra uma batata quando se enrola” (*)

março 17, 2009

[(*) Quando ele se enrola ou quando a batata se enrola?]

Enfim, o lance é que só mesmo Deus pra colocar um troço DESSES sobre a face da Terra. Ou será que na encadernação anterior ele foi um porco-espinho muito malvado e agora, graças à Lei de Causa e Efeito, está aqui espiando suas falhas de caráter? Não sabemos, mas continuaremos especulando.

por João Bosco, sozinho, sozinho (e sem as mãos!)

No jardim dos caminhos que se bifurcam, eis que encontramos Freud e Getúlio Vargas

fevereiro 26, 2009

Cito “O mal-estar na civilização” (1929/30), de meu tio-avô Sigmund Freud:

O superego de uma civilização tem origem semelhante à do superego de um indivíduo. Ele se baseia na impressão deixada atrás de si pelas personalidades dos grandes líderes (…)

Eu estava aqui pensando sobre quem seria o superego da civilização brasileira (Joaquim Silvério dos Reis? Getúlio Vargas? Lampião? Padre Cícero? Mulher Melancia?) quando me lembrei de que, bem, o Brasil não é exatamente uma civilização.

por João Bosco Brás e Gouveia (psicografado por William Carlos William).

.

Não se preocupe, ele é vegetariano

fevereiro 17, 2009

dont_worry_vegetarian

postado por Domingos Urbano

Como se escreve Gaúcho em Japonês

fevereiro 14, 2009

gaucho

postado por Domingos Urbano

Ronaldinho?

fevereiro 13, 2009

ronaldinho

postado por Domingos Urbano

Kaká Emo ou Redundância Absoluta

fevereiro 12, 2009

 

redundância absoluta

redundância absoluta

postado por Haroldo Leopoldo Hungria

Inaugurando a categoria Infinite Jest

fevereiro 11, 2009

ronaldo1

postado por Haroldo Leopoldo Hungria

Momento Mãe Dináh

fevereiro 3, 2009

Vai por mim: a manchete dos jornais na próxima sexta-feira será OBAMA DECLARA GUERRA AO BRASIL. Por quê? Leia ISTO.

por João Bosco Brás e Gouveia (psicografado por William Carlos William).

.

Física pura

janeiro 31, 2009

Fisica pura

postado por Domingos Urbano